Páginas

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

(co)mandante


E esse tempo que tudo resolve
Resolve coisas demais
Decide as coisas que vão
Também aquelas que não.
O que era presente, tempos atrás
À lembrança devolve
É retrato, é altar
Imagem que comove
Se foi, e volta a estar.
É o tempo
Em seu trono tirano
Por quem se espera
A hora da decisão
Faz ares de sagrado
Mas age profano
Transforma em quimera
Aquilo que é precisão.

Imagem capturada do blog www.silvanapedrini2008.blogspot.com

20 comentários:

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga.
Li o teu texto uma vez.
Depois reli-o ao som daquela música do Caetano:
tempo... tempo... tempo...

É verdade o que o tempo faz conosco.
E muitas vezes percebemos tão tarde, quando já não podemos viver o que clamava ser vivido.

Tempo... tempo... tempo...

Semana de muita ternura para ti.

Adolfo Payés disse...

Me ha encantado tu poema..

Un beso

Te dejo mis mejores vibraciones y deseos de paz y amor para estas fiestas navideñas y de año nuevo 2010...

Un abrazo
Saludos fraternos..

A.S. disse...

Gostei do teu texto poético!

Será o tempo que passa por nós... ou nós que passamos pelo tempo?



Um beijo
AL

Felipe A. Carriço disse...

O tempo é carrasco
que perde tempo
amolando o machado

Gordinha disse...

"Tempo mano velho, falta um tanto ainda sei"
Através do tempo que eu percebo o quanto amadureço. Encaremos-no como uma série de passos para o caminho da sabedoria, e não como o carrasco que tortura diminuindo o tempo de vida.

Bjs!
=D

Tiago Moralles disse...

Com o tempo, quem está no comando?

NDORETTO disse...

Mulher, vai escrever bem assim ! Voce consegue uma musicalidade no jogo das palavras, e os sons se encaixam. Você é bárbara. Gosto de ler seu blog. Demais!

beijos, Neusa

http://poesiarapida.blogspot.com

O Profeta disse...

Um formoso menino estava mesmo alí
Tocou de leve o lado esquerdo do meu peito
Olhou-me com um luminoso sorriso
Deixou-me sem fala, sem jeito

Deixou-me no apagar de uma vela
Olhei novamente o mar
A calmaria voltou como por encanto
Mil criaturas inundaram-me o olhar

Golfinhos felizes assobiaram
A cria de uma baleia acenou-me
Uma andorinha do mar poisou no parapeito da janela
Uma maravilhosa e antiga história sussurou-me

As estrelas brilharam no celeste
A Lua estendeu seu manto de fino lusr nesta cena
Adormeci na imensidão deste mundo
No embalo de...Uma Noite Serena...


Uma noite serena

Um mágico Natal

Um terno beijo

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga.

Passei para agradecer suas visitas, e principalmente este teu espaço de ternura e paz.

Aproveito para desejar-te um feliz natal.
Que o Natal reafirme em ti a certeza:
Não somos parte do amor,
somos o próprio amor.
Que possamos envolver nossas famílias, amigos e humanidade com a força deste sentimento.

Estrelas de paz brilhem em ti.

Anônimo disse...

beginningde physicians portfoliowe pcna cambridge conceded ckrksa anilvo inaccurate coug thais
semelokertes marchimundui

Paula Souzza. disse...

E a musica já dizia: " o tempo não para, nao para não"

Paulo Rogério disse...

Que tempo
Mais ladrão! Rsss
Boas festas!

Talita Prates disse...

o mistério do tempo,
tão bem cantado por aqui!

tempo em trono tirano: LINDO isso!

Dias e noites felizes pra vc, Moni!

Um bjo grande! :)

Talita.

Renata de Aragão Lopes disse...

E a ele
estamos sujeitos...
Inevitavelmente.

Lindo poema, Moni!
Como todos, aliás,
os que escreveu
recentemente...

Desejo-lhe um 2010
inspirador! : )

Incontáveis felicidades,
doce de lira

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga.

Obrigado por cada palavra dividida em 2009. Pelas visitas e pelas lembranças.

Que neste ano de 2010, você possa ser o melhor presente na vida de alguém, dividindo o encanto da vida na construção do belo, do bem, do melhor do mundo.

vega becker disse...

Oi Moni, Feliz Ano Novo minha querida!!!
daime é meu outro blog, vai ser meu diário, sem pretensões poéticas, mais livre, mais eu, talvez... vou tentar me despir sem vergonha, vamos ver no que vai dar. ontem resolvi colocá-lo em prática e qual minha surpresa ao te ver por lá. achei que ele tava escondido, rs.
eu adoro o relevâncias e tua prosa solta. adooooro.
vou te adicionar no orkut, ok? assim ficamos mais pertinho, posso?

beijo grande

Bá Velasque disse...

Prazer! Acabo de lhe conhecer e já tenho um certo apreço por ti, adorei a poesia, agora vou fuçar, bisbilhotar e me deliciar com sua palavras! Feliz 2010!

A Moni. disse...

Aluísio, Adolfo, Felipe, Gordinha, Tiago, Neusa, Profeta, Paulo Rogério, Talita, Renata, Vega Becker e todos amigos e amigas de blog, sempre aqui presentes e sempre com seus presentes para os nossos olhos e almas, em seus blogs;

A.S., Paula e Bá e a todos os novos amigos, novos cantos, novas palavras, novos deleites;

Meus desejos de um 2010 com gosto de fruta doce, madura, cheiro de flor, som da mais linda canção... Um ano em que possamos crer na felicidade e no amor!

Deixo vocês com o poema "Risco", da poeta carioca Maria Resende, que acho lindo, ousado e com ares de futuro bom.

Meu mais doce beijo!


“O risco não é só um traço
É a distância entre um prédio e outro
a diferença entre o pulo e o salto

O risco é riqueza e asfalto a percorrer
Pode ser a pé
Pode ser voar
O risco é o bambo da corda solta no ar

Dentro dele cabe cálculo
Cabe medo e incerteza
Cabe impulso instinto plano

O risco é a pergunta te atacando ao meio-dia
É o preço do sonho pra virar realidade
É a voz das outras gentes testando a tua vontade

Aceita-lo é saber que não existe
Estrada certa
Linha reta
Vida fácil pela frente

Mas que asa
Asa
Asa
Só ganha quem planta no escuro do braço
Essa semente de poder voar”

Mara faturi disse...

ESTA É MINHA DINDA;)
VAI ESCREVER BEM ASSIM, LÁ NA MI NHA CABECEIRA,rsrsrs AFF...AMOOOOOOOOOOOO TE LER!
BJOCONA!!!

Gisa Carvalho disse...

Este tempo... Cura e apaga. Faz bem, sempre. Mas nem sempre o bem que o tempo faz é o que queremos, foi o que desejamos. "Resolve coisas demais", até o que não precisava ser resolvido. Ah, o tempo...