Páginas

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Perde o salto e salta

                                                                         Imagem: Monalisa de Leonardo da Vinci


Terei, só eu percebido
Que o ontem é lugar esquecido?
E num instante, refaço: ontem, mesmo, é aqui do meu lado
Mas seu nome,
Esse sim, bem mais longe, é passado
E até te cedo a tardia escolha:
Enterrado ou cremado
Ou mais simples, bem mais eficaz:
Calado.

Resta pouco, pois, a dizer
Quanto vale o teu esquecer?
Pagaria caro, sem sentir prejuízo
Pra não ter o meu nome no desafino preciso
Da acidez da tua boca de fel
Que morde e estraçalha a verdade
Deixa o gosto da maldade
E encobre o mundo com o véu
Entre as letras lambidas que nomeiam tua vaidade.

Se já não te enxergas no espelho
Te afogas no raso, de razão, nem um triz,
Meu último ato cristão – um conselho
Escolhas, por fim, ser feliz.
Pois se te fazes tempestade,
Dia e noite a insistir
Desculpe, a minha felicidade,
Sequer lembra do teu existir.

* Sugestão para ouvir, aqui.
** Nem toda poesia é autobiografia.

23 comentários:

Carol Freitas disse...

Salta, Moni, salta! E os teus saltos, brilhantemente altos, me levam sempre junto!

Lindo e grande. Cabe exato no seu tamanho.

Um beijo. Não, dois.

Carol.

Li disse...

Desnuda a alma.
Encosta no céu.
Gostei muito.

Í.ta** disse...

pá!

toma essa!

hahaha.

tu é foda. não canso de dizer. tu é foda!

Wilson Torres Nanini disse...

Essa memória! que às vezes dilacera, às vezes delicia...

Abraços!

sidnei olivio disse...

Belíssimo salto poético, como de costume. Beijos.

Rafaela Figueiredo disse...

lembrou-me: “e o que passou, calou... e o que virá, dirá...” =)

Moni, que lindo!
ando meio assim ultimamente [não sei se correto o olhar, mas], como sugeri no blog: mergulhando – saltando... e me soltando de muito e muitos...
tão bom!

beijo grande

Dri Andrade disse...

Brigada vc linda.
Adorei o poema.

Hoje não aguentei a desabafei no blog sobre toda essa pseudo-politica que vivemos.Deixe sua impressão la sobre isso tbm.

beijos

Diu Mota disse...

Bravo!!! Lindo desfecho...
Adorei a firmeza do poema.
inté

eupoeta disse...

Perdi as contas de quantas vezes apaguei o texto de meu comentário.
Não entenda mal: se a inspiração me falta para um comentário à altura de versos tão bem costurados é porque nem sempre a admiração traduz-se em palavras.
Um suspiro - pela profundidade
Um olhar atento - pela admiração
E o abraço - pelo carinho de sempre

Intenso. Ricamente intenso.

Beijo.

Du

Ricardo Novais disse...

Mona... Ou melhor, querida Moni;

Lendo este teu poema lembrei-me automaticamente do conto O Espelho, do Machado. Tua escrita é mais terna e menos ferina que a daquele bruxo; é verdade. Mas também é igualmente concisa, genialmente irônica e brilhantemente reflexiva. Fascinante!

Um beijo,
Ricardo.

Poesia Cibernetica disse...

" Nem toda poesia é autobiografia"

Por isso somos fingidores, ja dizia o poeta. Quero espalhar pistas falsas. Gostei.

Myrela disse...

Eita...um passa fora desses instiga o vivente a permanecer...

RICARDO disse...

Moni

Na plataforma do talento teu salto é o mais alto.Teus versos tocam o céu e azulam brilhantes o reflexo no espelho da alma de quem leu...

Aplausos e beijos!
Ricardo

Letícia Losekann Coelho disse...

Ô meu bem... Que delícia esse poema! Adorei! Ritmo... Tem uma cadência gostosa, sabe quando tu lê e ama? Pois, amei!
Quero essa poesia na revista 8 da editora! (Sou abusada!)
Beijos lindona, sou tua fã!!

Talita Prates disse...

mulher dos saltos precisos (e preciosos), amo-te!

adorei o poema!

um beijo,

Tatá.

Hamanda Freires disse...

Moni, minhas palavras são tão pequenas diante do teu talento!

Lindo!

so sad disse...

olha o sorriso da monalisa, ela está feliz?
beijo!

Luiz Alberto Machado disse...

Maravilha tudo por aqui, adorei. Indicarei nas minhas páginas. Aguarde.
Beijabrações
www.luizalbertomachado.com.br

Renata de Aragão Lopes disse...

Moni,
adorei POR COMPLETO:
o tema,
os versos,
os asteriscos...

Voltarei para reler.

Beijo,
Doce de Lira

Guilherme Augusto Codignolle Souza disse...

Ganhei na Mega só de encontrar o seu espaço. Adorei a fluidez do seu texto. Gostei de verdade. Vou voltar. Conquistaste um seguidor. ^^


Eu também tenho um blog, quando puder passa la e me segue também se gostar do que encontrar:

http://codignolle.blogspot.com

Meu Twitter (Se você tiver):

http://twitter.com/guicodignolle

o/

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Moni,

Suas palavras são fortes e abraçam a essência de uma forma absurda.

Beijo imenso, menina linda.

Rebeca

-

Barbara C disse...

''Desculpe, a minha felicidade''.
Ela depende mais de mim mesmo do que de você.


Gostei muito!

Beijo Moni

Cristiano Melo disse...

Monica,
Este poema ficou super!
Com suas "letras" lambidas" apontas o que não quer aparecer no poema, que na verdade a personagem da prosa poética está sim, muito aí pra (in)felicidade do outro. Com sutileza, destila o veneno derradeiro no último parágrafo.
E gostei muito de:
"Enterrado ou cremado
Ou mais simples, bem mais eficaz:
Calado."
Parabéns
beijo